domingo, 27 de agosto de 2006

Actualidade

“ORDINARIAMENTE todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção, nem o instinto político, nem a experiência que faz o ESTADISTA. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidades e por interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência?”
(Eça de Queiroz, in "O Distrito de Évora", 1867)


(recebido por mail)

2 comentários:

Professorinha disse...

Até ler o autor e a data pensei que era um artigo actual... ou o Eça tinha visão de futuro ou o nosso país é mesmo atrasado...

Prionace Glauca disse...

Tenho que fazer notar a minha discordãncia do comentário anterior, não na visãode futuro com que premeia Eça de Queiroz, mas no facto de supor que o nosso país é atrasado.
Contudo, e não querendo usar esse termo para definir quem elege aqueles que actualmente nos governam, está-me a ser de difícil lembrança qualquer outro. Há que relembrar que ao chamado "povo", isto no tempo do nosso grande Eça, não lhe era permitido votar, coisa que hoje não se verifica!
Logo pergunto, será que o povo de hoje deverá votar (ou só o fará) para escolher quem nos governará, para logo depois e sem demoras, se queixar que quem lá está, no governo, não presta?

Valha-me Deus, Cristo e Maria nossa Senhora, sua mãe!!!!!

O que nos falta é gente de guizos, já para não dizer tomates!!!!!!